We've updated our Terms of Use. You can review the changes here.

Demo (2016)

by Weirduo

/
  • Streaming + Download

    Purchasable with gift card

     

1.
Intro 01:01
2.
olhamos para o céu e não vemos mais estrelas já não temos mais o horizonte como referência espaços cada vez mais escassos e supervalorizados abrimos mão disso tudo em nome da conveniência valeu a pena?
3.
Metrópole 01:35
pela produtividade, marchando ao precipício perdendo a sanidade, rumo ao suicídio coletivo é o linchamento do suspeito amarrado no poste é a agressão gratuita a quem se veste de vermelho é o homem se masturbando dentro do coletivo é o apresentador raivoso transmitindo tudo ao vivo pela produtividade, marchando ao precipício perdendo a sanidade, rumo ao suicídio coletivo é a pressão por resultados no mundo corporativo é a pressão do desemprego em quem não foi bem nascido é a falta de perspectiva na periferia é a polícia militar com coçeira no dedo pela produtividade, marchando ao precipício perdendo a sanidade, rumo ao suicídio coletivo
4.
nesta cidade em que os espaços vazios em questão de meses viram novos lançamentos o que será construído nós sabemos com certeza: é um prédio, uma igreja ou um estacionamento somos visitantes na cidade em que vivemos somos espectadores do incontrolável crescimento andamos de cabeça baixa e mesmo sem perceber vamos nos acostumando com a repressão esquecendo que as ruas nos pertencem achando que pra tudo é preciso permissão somos visitantes na cidade em que vivemos somos espectadores do incontrolável crescimento não queremos megaeventos nem shows corporativos e sim ajuda mútua nessa iniciativa estamos nas ruas
5.
balas de borracha e bombas de gás um presente do estado pros trabalhadores
6.
eventuais abusos serão investigados a corregedoria já abriu um inquérito se comprovado algum crime eles serão afastados a ação dos envolvidos será apurada com rigor um processo disciplinar será aberto qualquer desvio de conduta será punido
7.
em cada porta de aço um segurança privado que à noite mais parecem nazis disfarçados e ainda tem a guarda metropolitana agredindo o cidadão mesmo estando à paisana entradas bloqueadas de prédios desocupados com mais de vinte anos de impostos atrasados é o centro de são paulo aos poucos loteado por aves de rapina do mercado imobiliário expulsos do centro, empurrados pras favelas com seus pertences confiscados por ladrões de panelas comentários: a mando da prefeitura, a gcm acaba com a pouca autonomia das pessoas em situação de rua, confiscando até mesmo itens como panelas e fogareiros, os impedindo de cozinhar sua própria comida.
8.
nascemos numerados e não conseguimos evitar que a cada dia nos amarrem cada vez mais buscar em nós mesmos o que sempre criticamos combater a hipocrisia em cada um de nós confuso nas ações e caindo em contradições tentando evitar se contaminar com o caos que nos cerca vivendo numa prisão não há tanta opção só nos resta lutar contra a própria incoerência só nos resta lutar contra a própria incoerência
9.
imagens chocantes são motivos de risadas sob o argumento de que não se pode fazer mais nada violência registrada em vídeos clandestinos em um mercado seleto são um grande atrativo muitos pensam que esses fatos não são reais são seres inertes e irracionais
10.
desviando o olhar ao encarar-se no espelho
11.
(trecho de poema de bertolt brecht) de que serve a bondade se os bons são imediatamente liquidados ou são liquidados aqueles para os quais eles são bons? de que serve a liberdade se os livres tem que viver entre os não-livres? de que serve a razão se somente a desrazão consegue o alimento de que todos necessitam?
12.
(poema de chicho sánchez ferlosio) yo soy del campo, amigo mio y luego fui peón y minero cerró la mina, y al poco tiempo me hice bandido, ahi... me fui del pueblo, amigo mio por todas partes busqué trabajo y renegado del mundo entero me hice bandido, ahi... como los lobos, amigo mio robo comida, y hasta he matado la mala vida, aunque no quieras te hace bandido, ahi... no tengo casa, amigo mio mis compañeros andan huídos cerró la mina y en vez de obreros somos bandidos, ahi...
13.
Porto Seguro 00:42
aos olhos do capital toda cultura e livre expressão tem o potencial de se tornar lucrativa se já não temos esperança de mudança em larga escala que ao menos criemos um porto seguro livre de etiquetas de preço e onde o capital não seja substituído pela vaidade
14.
Kimbundu 02:34
(essa letra é uma história sem pé nem cabeça. a ideia é apenas usar algumas palavras que vieram do kimbundu, um idioma falado em boa parte de angola, de onde vieram muitas palavras que foram incorporadas ao português. no brasil, essa herança cultural passa batido por muita gente, pois valorizamos apenas o que veio da europa.) é o CAÇULA da família MOLEQUE cheio de GINGA fuma MACONHA no CACHIMBO e depois tira um COCHILO come FAROFA de FUBÁ pega JILÓ de lá do pé sempre compra MUAMBA na QUITANDA do seu zé não perde um dia de escola mas não viu nada sobre angola a lição que ele aprendeu é que o que é bom é europeu (música: diogo markveira/plitz plotz) (intro/outro: bonga - mona ki ngi xica)
15.
starving mass wartorn city dying children pleas for help genocide infanticide as thousands die we close our eyes close our eyes
16.
ei aseilla ei puolusteta rauhaa ei rauhaa (3x), verellä ja raudalla oikeus valita koti, uskonto, isänmaa velvollisuus, velvollisuus mä en halua alistua mulla on oikeus valita oikeus valita

credits

released August 20, 2016

license

all rights reserved

tags

about

Weirduo São Paulo, Brazil

hardcore duo
pedro - baixo/vocal
gil - bateria

+55 16 99423 1358
pedro@weirduo.org

contact / help

Contact Weirduo

Streaming and
Download help

Report this album or account

If you like Weirduo, you may also like: